terça-feira, fevereiro 09, 2010

Coelhomem

Dona Coelha andava atarefada em busca de quem tinha bebido o elixir de mirtilos.
Tinha um segredo, essa beberagem cuja receita passava de mãe para filha há muitas gerações na sua família!
De sabor fantástico, era muito apreciado por todos os que o provaram, mas tinha um problema. É que tomado em demasia provocava alucinações.. e possíveis alterações genéticas!
A Dona Coelha bastava encontrar quem estivesse a agir de um modo estranho. Já não via o seu terceiro filho da sexta ninhada, pelo menos desde manhã! Pelico de seu nome, era muito travesso. Andava sempre a fazer asneiras. Não se admirava que fosse ele. Mas tinha de o encontrar antes que fosse tarde!
Perguntou por todo o bosque até que Senhor Texugo lhe disse que o tinha visto lá para o lado do monte das avelaneiras.
Dona Coelha entrou em pânico. Era aí que os caçadores costumavam fazer piqueniques com suas famílias. Pelico arriscava-se a ser guisado nesse dia!
Dona Coelha correu como se um demónio viesse atrás dela! Parecia que ia mais veloz que o vento. As próprias folhas levadas pela aragem riam-se de ver uma coelha correndo tanto. “Onde vais com tanta pressa, coelha? Foges de alguém”, perguntavam os pequenos pássaros que a acompanhavam até se cansarem tal a velocidade e rapidez que ela ia!
Chegou ao bosque das avelaneiras. Estava tudo calmo. Não se via vivalma. De repente, mesmo à sua frente, um homem, rude e mal encarado, como todos eles são, estava a olhar para si! Tinha os olhos arregalados de tão abertos que estavam e preparava-se para lhe saltar em cima. Para a apanhar! Onde já se viu? Com homens destes Dona Coelho podia! O pior seria se viesse um caçador. Com um pequeno pulo fugiu e depressa se escondeu num arbusto! Começou a chamar pelico, mas este não lhe respondia. Foi andando, andando... até que o viu. O coração saltou-lhe no seu pequeno peito! Pelico estava vivo, mas numa gaiola. Reconhecia aquele olhar entre mil! A diferença é que Pelico... crescera incomensuravelmente! Estava um coelho brutal, enorme, gigantesco. Tinha sido utilizada uma gaiola de ursos para o capturar!
Crianças brincavam próximo dele. Pelico dormia. Pela sua aparência via-se que tinha dado luta antes de ser agarrado. Viam-se algumas feridas na sua pelagem, mas nada que desse preocupação. Dona Coelha aproximou-se e chamou-o! Pelico acordou e num misto de felicidade e pânico pediu ajuda a sua mãe! Em conjunto conseguiram roer as grades de madeira e pelico escapou com a mãe. Ambos correram o mais depressa que podiam. Se bem que pelico ao correr abanava tudo à sua volta e chamava muito a atenção!
As crianças gritaram em pânico, chamando os adultos, mas por essa altura já Pelico diminuía de tamanho. O efeito da poção estava a passar.
Quando chegaram a casa já Pelico estava do seu tamanho normal.
Dona Coelha repreendeu o filho ao que este contou que tinha bebido bastante da poção, mas tinha entornado, sem querer o resto não sobrando nada. Com medo de sua mãe, fugiu de casa e quando deu por si estava perdido! Sentiu dores no corpo e começou a crescer sem parar.
Depois apareceram aquelas crianças com adultos. Ainda conseguiu fugir, mas ficou encurralado numa gruta e ... o resto a mãe já sabia!
Dona Coelha abraçou-o, dando-lhe um grande beijo e pediu que na próxima vez, enfrentasse os seus medos, porque tudo o que estava para além daquele pequeno bosque era muito pior do que qualquer castigo que sua mãe lhe poderia dar.
Nessa noite, de dentro das suas tocas viram homens com armas, forquilhas, pás e archotes nas mãos em busca de algo que os atemorizava!
Um gigantesco Coelhomem!!!!

35 comentários:

Adriana disse...

Que os coelhos se multipliquem nos homens!

Zé do Cão disse...

aqui está um Coelho Grande.

O filho "elho", portou-se assim assim e quando tudo acaba em bem, volta novamente a ser Coelho.

Um abraço

Parisiense disse...

Grande Coelho.......

Linda historia, bem narrada.....gostei.

Beijokitas

Roderick disse...

Adriana. Se multipliquem nos homens? Para quê???

Roderick disse...

Zé, Mais um Elho na sopa!

Roderick disse...

Parisiense, confesso. Não gostei da história. Ando sem grande motivação para escrever!

bat_trash disse...

Hum...que fome!:)

Bar kiss.

PS: Adoro coelho...LOL!

Teresa Durães disse...

os coelhos também são bons na panela... depois de marinados!

Roderick disse...

B.
Que fome e... que sede!
"BAR" KIss!!!
Bar??? eheheheheh

Roderick disse...

Teresa, em minha casa não se como coelho. Somos contra!
São uns animais tão lindos que consideramos um crime comê-los!

Drêycka disse...

COELHO MAN... UUUUI
MEEEDO.

KKK

Roderick disse...

Dreycka! Já viste o tamanho das patas??? UUUUUUIIIIII. Enormes!!!

Teté disse...

Ainda pensei na remota possibilidade de estares a falar do Jorge Coelho, mas logo constatei ser disparate...

O terceiro coelho da sexta ninhada? LOOOOOL

E sim, os homens são animais de muitos medos, ainda mais do que é desconhecido...

Estas tuas historinhas são deliciosas! :)

Beijocas!

Philip Rangel disse...

Meu amigo....fico muito agradecido por vc ter participado da Maquina do tempo no Entrando Numa Fria..momentos esses unicos de aprendizagem.....agradeço por tudo...e por se fazer presente sempre...


hahaha..outro coelho chegando...hehehe

gostei meu amigo...abraçao

Roderick disse...

Teté, não misturo política nisto!
Gosto de um espaço onde impere a boa disposição. Quer se goste, quer não!
Beijos

Roderick disse...

Philip, continua com esses temas interessantes. É sempre bom saber a opinião de outros.

Cabeça no ar disse...

coelhomem... boa historia!

Roderick disse...

Cabeça no ar.
Sim! No prato!

Frankie disse...

Obrigada pela dica ;)
Se não tivesses deixado aquele comentário não via a gralha!

Sou mesmo assim: disléxica dos dedos, i guess -_-''

Beijinho*

Nanda Assis disse...

quero um pouco desse elixir, pro meu coelho homem.
rsrs

bjosss...

Naty disse...

Te indiquei o selo "Literatura é Arte". As regras e o selo estão na coluna direita do meu blog. É só ir lá e ver as regras e pegar o selo em questão. (Vai ficar lá por 3 dias, e depois eu vou apagar).

Bjos!
^^

Roderick disse...

Frankie, se reparares eu também "dislexei".

Roderick disse...

Nanda, o teu coelho homem, não... cresce?

Roderick disse...

Naty, obrigado. Já lá vou.

Daniel Costa disse...

Roderick

Um interessante conto, no fundo, uma óptima efabulação.

Dizia-se, no caso dos galinácios, um rancho. Creio que está certo. Engraçado, como os patos de deixavam Conduzir.
Daniel

Roderick disse...

Daniel, um rancho? Obrigado. Não sabia, sinceramente!!!!

ลndreia disse...

Que engraçado! *

Laura disse...

Bem, o coelho devias ser tu ehhh, pois escreves cada uma que fico zonza, não me chaga já o barulho que tenho de gramar (de boa vontade) e vens tu com colehos que roem grades de madeira que fogem ca mãe que nem sei que mais..há motivação para escrever em tudo, ora conta coisinhas tuas ou historinhas do sebastião que são bem lindas, ehhh mas não tá mal nã senhora... Beijinhos.

Roderick disse...

Andreia. Quem? Eu?

Roderick disse...

Laura, essas histórias sobre mim e a família são segredo!!!!!!!
UUUUUUUU. eheheheheheh

Rafeiro Perfumado disse...

Quando li que o homem queria saltar em cima da coelha cheguei a temer pelo rumo da história...

Fa menor disse...

Gostei da história!
gostei de passar por aqui.

Roderick disse...

Hmmmm! Rafeiro, não pensei enveredar por esse trilho, mas que é boa ideia é! ahahahaah

Roderick disse...

Fá, continua a passar. Agradeço.

A Senhora disse...

Poxa... E eu ja imaginei outras coisas... Mas, fiquei aliviada de Pelico ter se safado.
Embora, eu mesma, adore um cozido de coelho. :)))

beijinhos,