terça-feira, fevereiro 09, 2010

Sakamuri era um Homem feliz...

Sakamuri era um homem feliz.
Pelo menos assim o gostava de pensar.
A sua grande paixão sempre foi a Belle Cuisine.
Não como consumidor, mas sim como criador.
Era um renomado Chefe de Cozinha. A sua cadeia de restaurantes era famosa por todo o Japão.
Mas nunca tinha conhecido outro tipo de felicidade. A felicidade e o prazer de amar alguém. Não perco tempo com futilidade, costumava dizer no seu circulo reduzido de amigos, conhecidos ou interesseiros como gostava de os classificar.
Era um homem feliz. Assim o gostava de pensar. Gostava de começar os seus dias sentado sempre na mesma rocha, descalço, a olhar o mar mudando de cor.
Mas naquele dia algo iria mudar para sempre a sua vida.
Tinha-o começado com o seu ritual de há anos. Saiu de casa, não sem antes admirar a sala que possuía repleta de prémios pelas suas criações culinárias. Dirigiu-se à praia próxima de sua casa, descalçou-se e foi andando pela areia fria até à rocha mais próxima do azul esverdeado.
E foi aí que a viu pela primeira vez. Cabelos compridos, negros do azul mais profundo que o mar possui, pele branca como coral e uma face mais bela do que qualquer das suas mais mirabolantes criações culinárias.
Chamou-o e ele foi. Entrou na água dando-lhe a mão e foram para longe levado sempre por ela, cada vez mais para baixo. Foi aí que se percebeu que aquela visão que o deixou de imediato agarrado pela paixão louca e insana, era, afinal, parte mulher, parte criatura do mar.
Assustado, tentou-se libertar, mas cada vez mais se sentia seu prisioneiro.
Preso, sem ar, quase a sucumbir, foi beijado com loucura por ela.
Deixou de ver! Sentiu o sabor de todas as iguarias do mar naquele beijo! Sentiu-se enleado numa rede de espuma que o levava não ao céu, mas, poder-se-ia dizer, ao paraíso.
E louco de paixão, seguiu-a...
Naquele momento iria com ela até ao fim do mundo.
Apercebeu-se que após aquele beijo conseguia respirar debaixo de água! Poderia ficar com ela para sempre!
Poder-se-iam amar sem que nada mais importasse naquela vida.
Mas cedo veio a saber que a saudade mata, rói por dentro. E começou, todos os dias, a recordar-se da sua anterior vida, como era calma e bela.
Decidiram. Iriam viver na terra. Nunca se separariam.
Ela não conseguia idealizar a vida sem ele. A paixão, o amor, era louco entre ambos.
Regressaram numa noite. Discretamente, colocou-a ao seu colo e levou-a para casa.
Acomodou-a e deu-lhe um espaço para ela. Só para ela.
Sakamuri era um homem feliz.
Hoje, mais que ontem, tinha a certeza que era um homem feliz.
Descobriu os prazeres do amor, da paixão, viveu tempos loucos de prazer que nenhum homem se poderia orgulhar de ter vivido e, depois de tudo isso, voltou à sua vida. À vida que ele tanto amava.
E após isso... ficou famoso. Conhecido mundialmente. Pelos seus pratos de sushi, cujo segredo apenas ele conhecia.
Ainda tinha na sua casa, a barbatana da cauda, para se recordar dela.
Ficaria para sempre grato à sua paixão de cabelo azul profundo.
Nunca tinha provado um sushi tão bom como aquele!
Sakamuri era um Homem feliz...

5 comentários:

A Senhora disse...

Que malvado!!! :)

Ela foi comida, literalmente.

Amei o seu espaço e sua escrita.

Tatah Marley's Confissões disse...

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
que comida ein?
isso que é cair de boca.. ksoakopskap
:X

(não eu nao falei isto, bebi demais ontem. --')
adorei sua visita meu anjo,volte sempre! e oobrigada pelo elogio também!
posso linkar?
beeijinhos!

goreti disse...

Olá primo passei só para desejar um Bom Fim de Semana! Beijinhos ao Sebastião e à Cristina!

Claudinha disse...

Olá! Então este é o segredo??? Sereias...

Paul, adorei sua volta e espero que volte mais vezes! Um grande beijo para Anna,o pequeno Sebastião e para você.

Tatah Marley's Confissões disse...

cade seus posts novos?!
*.*