quinta-feira, janeiro 14, 2010

O mundo do silêncio (I)

Silêncio.


Um olhar distante, observando algo que mais ninguém consegue ver!
Está no seu mundo!
Silencioso, calmo, vazio, sem história!
É este o mundo de Joana. Pelo menos assim acha quem a rodeia ou quem a observa, sem saberem que o seu universo é mais rico do que sequer podem imaginar!
Nada sabem dela a não ser o que deixa saber. Mas tudo sabe deles.

Observa, em silêncio, em oração de alma!

Seus pais tudo fazem, tudo fizeram e tudo continuam a fazer, para que seja uma criança igual a tantas outras... mas pouco conseguem.
A ciência, por muitos avanços que tenha, ainda não conseguiu penetrar na mente desses jovens estranhos, belos, frágeis e distantes.

Jovens de cristal, que vieram a um mundo que, supostamente, não é o deles.

Fisicamente encontram-se no mundo dos seus pais, um mundo cinzento, chuvoso e triste, mas em alma estão num mundo distante do olhar dos Homens, do comum dos mortais.
E só de quando em vez encontram um portal que os transporta, dando sinal de si a quem os rodeia, enriquecendo-os mais.

Uma flauta toca, enchendo o ar de sons mágicos e encantatórios!

(...)

18 comentários:

Teté disse...

O mundo do silêncio, ao som da flauta... :)

Jinhos!

A Senhora disse...

Eu esqueci o nome do filme (sou ótima nisso!), em que um dos atores, num dos intervalos de gravação, começa a tocar o violão porque repara que um jovem autista está tocando no andar de cima de uma casa, local das filmagens. O ator-músico toca uns acordes, como em desafio ao garoto. Este responde. E aí vai por alguns minutos, tudo filmado e depois parece que foi incorporado ao filme.
Era como se, naquele momento, os dois falassem uma mesma linguagem e se entendessem. É emocionante.

Beijinhos

Zé do Cão disse...

Amigo, silencio que se vai cantar o fado.

um abraço

Carlos II disse...

Esse mundo de silêncios é realmente cheio de imaginação,um mundo diferente. Tal como os invisuais.

Bom fim-de-semana!

Tatiane Trajano disse...

Canta que esse canto faz bem...

Natacha disse...

silence speaks a thousand words...

Beijo

PS: cresci ao som destes silêncios, por vezes tristes, por vezes alegres, por vezes presentes, mas na maioria das vezes ausentes... mas sempre engrandecedores e enigmáticos...

Laura disse...

Sei, sei como é, por ver, por sentir que é dificil....não é o silêncio, é o caos que reina nos seus mundos... e querem-no assim, tal e qual..Um abraço da laura que vive no mundo do silêncio e sabe como é, apenas a falta de sons...

Teresa Durães disse...

sim, essas crianças existem e rodeiam-nos. infelizmente parece haver pouco espaço para elas

Conversa Inútil de Roderick disse...

Jinhos, teté.

Conversa Inútil de Roderick disse...

Senhora. Não conheço esse filme, mas essa parte é bonita!

Conversa Inútil de Roderick disse...

Zé do Cão, fado com... flauta????

Conversa Inútil de Roderick disse...

Qualquer mundo é diferente do outro Carlos dos iiiissss

Conversa Inútil de Roderick disse...

Tatiane, lá, lá, lá...

Conversa Inútil de Roderick disse...

Natacha, tens de me contar essas histórias.

Conversa Inútil de Roderick disse...

Laura, Caos? Tens uma mente e uma alma muito harmoniosa! Qual caos, qual quê!

Conversa Inútil de Roderick disse...

Teresa, basta querermos, basta querermos!

ic oliveira disse...

Tenho tido a oportunidade de conviver com crianças autistas (alunos de colegas meus).
Acabei por perceber que era uma inculta. Existe diferentes formas de autismo, existe diferentes formas de comunicação.

No entanto algo é comum, todas querem ser amadas e aceites.

Com o tempo aprendi e tenho muito ainda por aprender que estas crianças.

Existe uma em especial, o Francisco, com quem tenho partilhado muita brincadeira.

Agradeço por ter tido esta oportunidade.

Leonor disse...

mas às vezes parece que os estranhos somos nós, com falas, com gritos, com gestos, sempre em movimento, como se parar fosse morrer...

(também conheço um caso assim...)